Anterior Próximo

O ano de 2012 foi definido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. A proposta de escolher um ano temático é somar esforços pela garantia do acesso irrestrito de todos às fontes de energia modernas — a cada cinco pessoas no mundo, uma ainda está à margem desse serviço. Outra preocupação é com o tipo de energia que será gerada. Para garantir às gerações futuras a existência dos recursos naturais necessários à continuidade da humanidade, é preciso que a atual geração usufrua dos recursos de maneira responsável.

Glossário ambiental:

  • Meio ambiente: do ponto de vista dos estudos ambientais, é considerado o entorno onde uma organização (fábrica, instalação, mineração, aeroporto etc.) opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais, flora, fauna, seres humanas e suas inter-relações.
  • Ecologia: o estudo das relações entre os organismos e seu ambiente.
     
  • Ecossistema: formado pelo complexo de organismos vivos, seu meio ambiente físico e todas as suas inter-relações em determinada unidade de espaço.
  • Sustentabilidade: realização de atividades que compatibilizam a capacidade produtiva com a capacidade de suporte do meio ambiente.
  • Impacto ambiental: é considerada qualquer modificação do meio ambiente, adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em parte, dos processos de uma organização (fábrica, instalação, mineração, aeroporto etc.).
  • Poluição: geração, emissão ou descarga de qualquer substância (sólida, líquida ou gasosa) ou forma de energia (calor, som, radioatividade) ao meio ambiente, a uma taxa mais rápida do que pode ser dispersa, diluída, decomposta, reciclada ou armazenada de forma segura.
  • Prevenção de poluição: é a utilização de processos, práticas, técnicas, materiais, produtos, serviços ou energia para evitar, reduzir ou controlar (de forma separada ou combinada) a geração, emissão ou descarga de qualquer tipo de poluente ou rejeito, para reduzir os impactos ambientais.
  • Recurso natural: recurso que ganha importância pela influência das atividades humanas, conhecimento da sua existência em determinada área, aproveitamento pelas atividades humanas e sua integração a necessidades humanas.
  • Estudos de Impacto Ambiental (EIA): são instrumentos que integram o conhecimento proveniente da análise ambiental para formar as políticas de planejamento e manejo de recursos naturais, tomadas de decisão e avaliação dos impactos exercidos por um empreendimento ou atividade de determinada área.

Sustentável X Renovável X Limpa

  • Os três tipos de energia parecem ser amigos do meio ambiente, mas atenção: uma energia pode ser sustentável e suja ao mesmo tempo!
  • Mas afinal, o que é sustentável? São situações que criam ou mantêm condições para que os humanos e a natureza consigam conviver em uma harmonia, englobando condições sociais e econômicas para esta e para as próximas gerações. Interessante notar que esse conceito coloca o homem como algo em oposição ao meio ambiente.
  • No caso da produção de energia sustentável, por exemplo, esta não deve causar impactos negativos nem para as pessoas, nem para o meio ambiente. Contraditoriamente, energias sustentáveis podem não ser tóxicas para o meio ambiente. Elas apenas são capazes de equilibrar a produção e o consumo, pois são gastas em uma velocidade que permite sua reposição na natureza.
  • Já a energia renovável é provinda de fontes que se renovam naturalmente, em um curto período de tempo. Geralmente são derivados diretos ou indiretos do Sol ou de quaisquer movimentos ou mecanismos naturais. As energias fósseis, por exemplo, não são consideradas renováveis.
  • A energia limpa, por sua vez, é aquela que libera pouco ou quase nenhum gás ou resíduo no meio ambiente, especialmente aqueles que contribuem para as mudanças climáticas (CO2).


Como a energia é gerada

Introdução

Usina
Eólica

Usina
Termoelétrica

Usinas
Nucleares

Usinas
Solares

Usinas
Geotérmicas

Usinas
Hidrelétricas

Usina de
Maré motriz

Combustíveis
Fósseis

Biocombustíveis

O princípio básico das usinas de energia é transformar energia mecânica em energia elétrica. Seus processos de produção, no entanto, são variados, mas baseiam-se em três pilares fundamentais: Força - Trabalho - Energia Cinética. Sendo que:

Trabalho + Energia Cinética = Energia Mecânica

Ao longo do tempo, o homem aprendeu a dominar os fenômenos naturais, criando mecanismos para que a natureza trabalhe a seu favor. Como exemplo, temos os moinhos de vento e as rodas d'agua, que possuem finalidades como moer cereais e bombear água subterrânea para a superfície.

Com os avanços da Ciência, o homem descobriu a eletricidade e, com ela, uma infinidade de funções. Hoje, essa fonte de energia tornou-se essencial em nosso cotidiano. O progresso tecnológico ocorrido mundialmente nos últimos 120 anos também teve como base o uso intensivo dessa fonte de energia. Atualmente, cerca de um terço de toda a energia primária do mundo é utilizado para a geração de energia elétrica.

A primeira usina no Brasil foi uma termoelétrica instalada em 1883 na cidade de Campos, no Rio de janeiro. Em 1930, o Brasil já possuía 891 usinas, das quais 591 eram hidrelétricas, 337 térmicas e 13 mistas. Hoje, o país conta com 3.409 usinas responsáveis por uma produção de 172.141.437 kW.

Em relação aos modelos energéticos possíveis para um país, eles não dependem apenas de concepções da Física, mas sim de toda uma economia que envolve o setor. Para que se torne possível a implantação de fontes alternativas, são necessários formação tecnológica para tanto, pessoal capacitado, além de uma estrutura regional que possa abrigar essa fonte geradora.

No Brasil, a fonte de energia limpa possível ainda é a hidrelétrica, responsável por cerca de 70% da energia gerada no país. O Japão, por exemplo, utiliza-se da fonte energética oriunda de fissão nuclear, que embora seja a mais barata e não dependa de uma grande área de construção, pode ser extremamente nociva às pessoas e ao meio ambiente em casos de desastres ambientais, como visto no último ano.

Vejamos conceitualmente os elementos necessários para a geração de energia:

1° pilar — Força
Força não é uma propriedade, ou seja, ela não pertence a um corpo. A sua produção está associada à interação entre dois corpos por contato ou por campo.

2° pilar — Trabalho
A força aplicada a um corpo pode ser associada ao deslocamento. O produto dessa interação é o que chamamos de trabalho. T = F • d

3° pilar — Energia de movimento
A resultante do trabalho realizado pela força faz com que o corpo se movimente, atribuindo velocidade ao sistema, ponto fundamental para a conversão da energia mecânica em energia elétrica.

Qualquer uma das usinas de produção energéticas segue esses três pilares. Seguindo uma ordem cronológica, mostraremos as aplicações desses pilares em cada um dos tipos de usina:

Brian Jackson/iStockphoto/
Thinkstock/Getty Image
Usina Eólica

O que é?
Usa o fluxo de vento como principal fonte de transformação de energia. É considerada uma das mais promissoras fontes naturais de energia.

Como funciona?
Quando o vento incide sobre as pás da hélice, é aplicada uma força das partículas que compõem o ar contra as pás, fazendo com que elas girem. Esse movimento faz com que um dínamo seja carregado, transformando a energia de movimento em energia elétrica.



Viabilidade econômica:

  • Baixa eficiência. Seria necessário um número alto de ventiladores eólicos para atender à demanda de uma cidade. Além da poluição visual, sua eficácia é muito variada, dependendo de condições climáticas para um funcionamento pleno. No Brasil, é muito caro construir e manter o sistema em funcionamento, mas a Alemanha e países da Península Escandinava utilizam o sistema em larga escala e pretendem aumentar sua matriz.

Classificação: Renovável

Impactos positivos:

  • Energia limpa, pois usa apenas a força aplicada pelo vento para transformar energia de movimento em energia elétrica;
  • Baixas emissões de gases do efeito estufa durante o período de operação.

Impactos negativos:

  • Emissão de gases do efeito estufa durante o período de instalação;
  • Poluição visual;
  • Poluição sonora;
  • Animais silvestres, principalmente aves e morcegos, colidem com as pás e acabam morrendo;
  • Interferência eletromagnética em transmissões de rádio, televisão, telefones celulares e radar;
  • Geração de resíduos sólidos provenientes da manutenção das instalações.

Onde tem no Brasil?

Mapa Usinas Eólicas
argonaut/ Shutterstock
Usina Termoelétrica

O que é?
A primeira instalada no Brasil foi em 1883 em Campos, no Rio de Janeiro (RJ). Tem como principal fonte de transformação de energia o vapor d'água gerado a partir da queima de combustíveis de fontes não renováveis, como derivados do petróleo e desintegração nuclear e carvão. Há também fontes de energia alternativas como a biomassa.

Como funciona?
A partir da pressão do vapor que impulsiona as pás do dínamo, convertendo a energia mecânica em energia elétrica.

Classificação: Depende da fonte utilizada

Impactos negativos:

  • No caso das derivadas de petróleo e biomassa, está associada à poluição causada pela queima de tais combustíveis, dispersando fuligem e outros componentes gasosos na atmosfera;
  • Emissões de material particulado na atmosfera: óxidos de enxofre, dióxido de carbono, óxido de nitrogênio. Isso causa problemas respiratórios, cardiopulmonares e contribui para aumentar o efeito estufa e as chuvas ácidas;
  • Interferência na fauna e flora;
  • Alteração estética da paisagem;
  • Percolação das águas das chuvas nas áreas de estocagem, causando contaminação do lençol freático, cursos d'água superficiais, elevação do pH, contaminação por metais pesados e sólidos dissolvidos;
  • Sistemas de resfriamento das águas, causando interferência na fauna e flora aquáticas;
  • Geração de resíduos sólidos no processo de mineração e manutenção das instalações;

Onde tem no Brasil?

Mapa Usinas Eólicas

O que é?
Também são consideradas um tipo de termoelétrica.

Como funciona?
Também chamada de energia atômica, é obtida a partir da fissão do núcleo do átomo de urânio enriquecido, liberando uma grande quantidade de energia. A energia nuclear mantém unidas as partículas do núcleo de um átomo. A divisão desse núcleo em duas partes provoca a liberação de grande quantidade de energia.

boscorelli/ Shutterstock
Usina Nuclear

Viabilidade econômica:

  • Eficiência em energia.

Classificação: Não renovável

Impactos positivos:

  • As reservas de energia nuclear são muito maiores do que as reservas de combustíveis fósseis;
  • Requer menores áreas de implantação;
  • As usinas nucleares possibilitam maior independência energética para os países importadores de petróleo e gás;
  • A produção de energia nuclear não contribui para o efeito estufa;
  • Alta densidade energética.

Impactos negativos:
De todas é a menos poluente, mas as de fontes renováveis podem ser consideradas mais seguras. Também polui, por conta dos gases da queima desses elementos. A usina nuclear não é considerada uma fonte de energia limpa, pois o pouco lixo que gera pode causar danos ambientais irreversíveis, podendo tornar o local onde está instalada inabitado por muito tempo.

  • Baixa aceitação da sociedade;
  • Não existe solução para eliminação dos resíduos;
  • O lixo (nuclear), geralmente fontes de urânio, quando perde sua eficiência de produzir energia continua instável e extremamente nocivo;
  • É necessário tomar muito cuidado com a segurança de uma usina, qualquer tipo de acidente que aconteça com os reatores podem trazer danos irreversíveis ao ambiente, como nos casos de Chernobyl na Ucrânia e Fukushima no Japão;
  • Emissão de gases na instalação do empreendimento como dióxido de carbono, monóxido de carbono, óxido nitroso e dióxido nitroso;
  • Exaustação de gases provenientes de processos de natureza radioativa;
  • Alteração estética da paisagem;
  • Disposição de rejeitos quentes em corpos d'água, causando interferências na fauna e flora aquáticas;
  • Disposição de rejeitos e resíduos radioativos que são extremamente prejudiciais à fauna, flora e saúde humana.
(Fonte: Universidade de Stanford -
large.stanford.edu/courses/2011/ph241/jaffer2/)

Onde tem no Brasil?
No Brasil existem apenas no estado do Rio de Janeiro as usinas nucleares Angra I e II, atualmente em operação.

Vaclav Volrab/Shutterstock
Energia Solar

O que é?
É outro processo relacionado à energia térmica.

Como funciona?
Placas de faces foscas, pintadas de preto, que são usadas basicamente para o aquecimento d'água. Nos casos das usinas solares, a energia recebida pelo Sol aquece a água até as condições de vapor. Daí em diante o processo de conversão de calor em energia elétrica passa por todo processo citado nos casos anteriores.

Viabilidade econômica:

  • Os painéis solares estão cada vez mais potentes e seus custos vêm decaindo. A energia solar é excelente em lugares remotos ou de difícil acesso, pois é necessário um grande espaço para a sua instalação. Além disso, é uma ótima alternativa em pequena escala, como em um bairro, por exemplo, já que não obriga enormes investimentos em linhas de transmissão.

Classificação: Renovável

Impactos positivos:

  • Baixas emissões de gases do efeito estufa durante o período de operação.

Impactos negativos:

  • Alteração estética da paisagem;
  • Emissão de gases do efeito estufa durante o período de instalação;
  • Variação nas quantidades de energia produzidas de acordo com a situação climática (durante a noite não existe produção alguma e há variações diárias de produção de acordo com o grau de nebulosidade);
  • Locais em latitudes médias e altas sofrem quedas bruscas de produção durante os meses de inverno, devido à menor disponibilidade diária de energia solar;
  • As formas de armazenamento da energia solar são pouco eficientes quando comparadas com as outras fontes;
  • Painéis solares, quando instalados em estruturas preexistentes (como telhados), requerem um espaço mínimo; entretanto, para a construção de plantas maiores precisam de grandes espaços, interferindo na fauna, flora e ocupação local;
  • Algumas instalações precisam de água para resfriamento, o que pode acarretar a diminuição desse recurso em escala regional, principalmente em áreas semiáridas e áridas;
  • Painéis fotovoltaicos possuem metais pesados na sua constituição, que podem contaminar o solo e a água em caso de danificação ou disposição imprópria de resíduos;
  • Os sistemas de energia solar possuem produtos perigosos como óleos e sais fundidos, que podem contaminar o solo e a água.
(fonte: Green Living National Geographic -
greenliving.nationalgeographic.com/positive-negative-effects-solar-energy-2684.html)

Onde tem no Brasil?

Mapa Usinas Eólicas
Joe Gough / Shutterstock
Usina Geotérmica

O que é?
Processo de produção energética por meio do uso de água subterrânea.

Como funciona?
Aproveitando o alto calor no núcleo terrestre, a agua é aquecida gerando vapor como em uma termoelétrica comum, mas por meio de um processo natural.

Viabilidade econômica:

  • A eficiência em produção de energia elétrica e os custos de fabricação e manutenção são relativamente baixos, nos casos das usinas derivadas de combustível fóssil.

Classificação: Renovável

Impactos positivos:

  • Aproveitamento de um processo geológico.

Impactos negativos:

  • Por ser um projeto embrionário, ainda não se sabe ao certo qual a sua real eficiência. Além disso, há dificuldades para mapear as regiões que podem apresentar maior eficiência como fontes de calor;
  • Depleção de recursos: a extração de fluidos geotérmicos para a geração de energia remove calor de reservatórios naturais em uma taxa 10 vezes maior do que a capacidade de reposição;
  • Alteração estética da paisagem e danificação de feições naturais como gêiseres, poços de lama quente, fumarolas;
  • A extração de fluidos geotérmicos pode reduzir a pressão nos reservatórios subterrâneos, causando subsidência do solo;
  • Fluidos geotérmicos contêm níveis elevados de arsênio, mercúrio, lítio e boro devido à interação subterrânea entre rochas e fluídos quentes. Caso esses fluidos geotérmicos entrem em contato com cursos e corpos d'água, existe potencial para interferência na qualidade da água, fauna e flora aquática;
  • Fluídos geotérmicos contêm gases dissolvidos que são emitidos para a atmosfera. Alguns são muitos tóxicos, como dióxido de carbono e sulfureto de hidrogênio.
(Fonte: Governo da Nova Zelândia -
www.teara.govt.nz/en/geothermal-energy/5)

Onde tem no Brasil?
Este tipo de energia ainda não é explorado no Brasil.

O que é?
Fonte de transformação de energia mecânica em energia elétrica.

Como funciona?
A aplicação da força do fluxo de água é utilizada para movimentar pás de um sistema de bobinas de cobre, o que gera um campo eletromagnético responsável pela produção de eletricidade. O fato de se usar apenas o fluxo d'água para a transformação de energia mecânica em energia elétrica torna essa forma de transformação a mais viável. No entanto, esse modelo depende do fator geológico, já que é necessário um grande ponto de fluxo d'água para que o sistema seja realmente eficiente. É um tipo de energia dependente dos níveis de pluviosidade.

Jurie Maree/iStockphoto/
Thinkstock/Getty Image
Usina Hidrelétrica

Viabilidade econômica:

  • Custos de produção e manutenção relativamente baixos se comparados com os sistemas alternativos e alta eficiência na produção de energia elétrica. Além disso, é um tipo de produção limpa, sem geração de poluentes. Propicia o desenvolvimento local.

Classificação: Renovável

Impactos negativos:

  • A construção exige um planejamento cuidadoso, pois implica alterações de ambiente relacionadas à fauna e à flora. Outra questão refere-se à possível destruição de reservas indígenas e à demanda de trabalhadores, que passam a habitar uma região silvestre. Os custos de instalação e desativação de uma hidrelétrica são muito altos;
  • Alteração estética da paisagem;
  • Alteração no regime de cursos d'água superficiais e de toda a dinâmica das bacias hidrográficas da área afetada pelo empreendimento;
  • Interferência no microclima, nos solos, nos recursos minerais, na qualidade das águas, na vegetação, na fauna e na flora da área do empreendimento;
  • Indução de sismos;
  • Interferência no uso e ocupação do solo e nas comunidades das áreas de interferência diretamente afetadas.
(fonte: Universidade Federal de Santa Catarina -
www.ced.ufsc.br/emt/trabalhos/historiadaeletricidade/ENERGIA%20ELETRICA%20E%20MEIO%20AMBIENTE.htm)

Onde tem no Brasil?

Mapa Usinas Eólicas
Alex Mit/ Shutterstock
Usina Maré Mosrtiz

O que é?
Fonte de energia gerada pelo movimento da maré.

Como funciona?
Como uma usina hidrelétrica. É feita uma barragem e a variação do nível da maré é usada para encher um compartimento que faz girar a turbina, como no processo da hidrelétrica convencional.

Classificação: Renovável

Impactos positivos:

  • Em relação ao processo convencional (hidrelétrica), tem a vantagem de não causar tantos impactos socioambientais.

Impactos negativos:

  • Depende de condições topográficas e do volume de água deslocado. O fato de ser um projeto recente, se comparado com os sistemas tradicionais, ainda torna a sua construção economicamente inviável;
  • Alteração das correntes e ondas;
  • Alteração dos substratos, transporte e deposição de sedimentos na área costeira;
  • Interferência nos habitats dos organismos bênticos (que vivem no fundo do mar);
  • Poluição sonora;
  • Emissão de campos eletromagnéticos;
  • Emissão de resíduos tóxicos da pintura, lubrificantes e revestimento contra incrustações;
  • Interferência no movimento e migração dos animais;
  • Colisão de animais com as pás rotativas e outras partes móveis.
(Fonte: Universidade de Washington D.C. -
depts.washington.edu/nnmrec/workshop/index.html)

Onde tem no Brasil?
Este tipo de energia ainda não é explorado no Brasil.

Volker Kreinacke/iStockphoto/
Thinkstock/Getty Image
Combustíveis fósseis

O que é?
Substâncias de origem mineral, formadas pelos compostos de carbono. Os combustíveis fósseis são: petróleo, gás natural e carvão mineral.

Como funciona?
A queima desses combustíveis é usada para gerar energia e movimentar motores de máquinas, veículos e até mesmo gerar energia elétrica.

Viabilidade econômica:

  • Os preços são voláteis, por conta da concentração geográfica das jazidas.

Classificação: Não renováveis

Impactos negativos:

  • A queima desses combustíveis gera altos índices de poluição atmosférica. Logo, são os grandes responsáveis pelo efeito estufa e o aquecimento global;
  • Concentração geográfica das jazidas. Por ser uma das maiores riquezas energéticas do último século, o petróleo gera competição e instabilidade socioeconômica geradas pelas tentativas de controle de sua exploração e comercialização;
  • Riscos de poluição ambiental durante a sua exploração, o seu transporte e armazenamento. Um exemplo foi o desastre ambiental no Golfo do México em 2010, que provocou um extenso vazamento durante a exploração do petróleo.

Onde tem no Brasil?

Gás natural

Mapa Gas Natural

Carvão Mineral

Mapa Carvão Mineral
Jim Barber /Shutterstock
Biocombustíveis

O que é?
De maneira geral, são combustíveis alternativos derivado de materiais biológicos (a biomassa).

Como funciona?
São obtidos a partir do beneficiamento de determinados vegetais (fontes renováveis), entre os quais podemos citar: cana-de-açúcar, milho, cevada, plantas oleaginosas, resíduos agropecuários, eucalipto, entre outros.

Viabilidade econômica: Depende da fonte

Classificação: Renováveis



Impactos positivos:

  • Não emite dióxido de enxofre;
  • Os resíduos são menos agressivos ao meio ambiente que os provenientes de combustíveis fósseis;
  • Menor risco ambiental (matéria orgânica — queima melhor absorvida pelo ambiente).



Impactos negativos:

  • Grandes espaços plantados — desflorestamento;
  • Redirecionamento das plantações para a produção de energia de biocombustíveis, tendo o potencial de gerar aumento no preço dos alimentos e queda de suas reservas.
  • Consumo de grandes quantidades de água na produção e potencial de intensificar processos erosivos nas áreas de plantação;
  • Menor poder calorífico. O volume do biocombustível requerido para gerar uma determinada quantidade de energia é maior em comparação com o uso dos combustíveis fósseis.

Onde tem no Brasil?

Mapa Usinas Eólicas

Energia a serviço da humanidade

A primeira fonte de energia a serviço do homem foi o Sol. Em nossos primeiros passos aqui na Terra, o único instrumento que possuíamos para produzir calor era o nosso próprio corpo. O primeiro grande avanço se deu com o domínio do fogo, e com isso veio a nova forma de conseguir energia: a partir da combustão da madeira, novidade que mudaria para sempre a história de nossa espécie no planeta.

Muito tempo depois, outro grande salto para a humanidade: a Revolução Industrial. Em meados do século XVIII, a máquina a vapor e o carvão mineral mudaram as formas de produção energética de uma forma jamais antes vista. Após um século, foi a vez do petróleo e da eletricidade, durante a Segunda Revolução Industrial. Desde então, veículos, máquinas, residências e indústrias lançam no meio ambiente uma quantidade sem igual de gazes e componentes químicos. Diante dessa realidade, chegamos à Terceira Revolução Industrial enfrentando um dilema: como avançar no sentido contrário ao colapso da humanidade?

Na busca por respostas, a ONU instituiu 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável. Além disso, a conferência Rio+20 foi realizada no Rio de Janeiro. Ao final do encontro, que reuniu diversos países, foi desenvolvido um documento intitulado The Future We Want (O futuro que queremos), produzido com o objetivo de atingirmos um futuro mais sustentável. No entanto, os resultados parecem não ter agradado a todos, conforme pronunciou o Diretor-executivo do Greenpeace, disse Kumi Naidoo.

A Rio+20 se transformou em um fracasso épico. A conferência falhou em termos de equidade, de ecologia e de economia. Prometeram-nos 'o futuro que queremos', mas agora seremos unicamente uma máquina poluidora que vai cozinhar o planeta, esvaziar os oceanos e destruir as florestas tropicais. Este não é um alicerce sobre o qual faremos economias crescerem ou com o qual conseguiremos retirar pessoas da pobreza. É a última vontade e testemunho do modelo de desenvolvimento destrutivo do século 20. A única coisa sensata que estava na mesa de negociações até ontem à noite foi o lançamento de um Plano de Resgate dos Oceanos para as águas em alto mar. Mas isso também foi derrubado pelos Estados Unidos, Canadá, Rússia e Venezuela, que querem explorar os mares visando o lucro privado, apoiados na impunidade e na extinção dos recursos que pertencem a toda a humanidade.

O biólogo Jared Diamond, na obra Colapso, revela que a humanidade é capaz de sobreviver a muitas catástrofes — das guerras à eliminação de recursos naturais — desde que não seja estúpida, pois foi isso o que levou muitas sociedades passadas ao extermínio. Hoje, discursos como o de Naidoo ou o de Diamond não encontram tantos ouvidos atentos quando o tema do meio ambiente mistura-se a questões e interesses econômicos.

Aos que comungam com as ideias ambientalistas e sustentáveis deste novo milênio, fica o desejo de que o homem perceba que não há verdadeiramente progresso quando ele destrói o meio em que vive.

A natureza pode suprir todas as necessidades do homem, menos a sua ganância“.
Gandhi

Um balanço da Rio + 20

O Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), contou com um cronograma com diversos eventos relacionados ao tema, entre eles a conferência mundial voltada para o debate sobre o desenvolvimento sustentável, conhecida como Rio+20 – a primeira conferência mundial sobre desenvolvimento humano e meio ambiente foi realizada em 1972, em Estocolmo. Desde então houve mais três edições, todas em solo brasileiro: Eco 92 (1992), Rio+10 (2002) e Rio+20 (2012).

O objetivo das reuniões é definir metas periódicas para que seus signatários construam um futuro mais sustentável. O documento final da última conferência foi chamado de The Future We Want (“O futuro que queremos“ — versão completa em inglês AQUI) e recebeu duras críticas por não assumir compromissos significativos e tímidas metas para o futuro.

A respeito da energia sustentável, o documento previu, entre outros pontos:

  • O aproveitamento da energia provinda do tratamento térmico do lixo;
  • O efetivo acesso para as 1,4 bilhões de pessoas que ainda não o possuem;
  • O aumento do uso de fontes renováveis (com baixos níveis de emissão de gases agravantes do efeito estufa);
  • O uso sustentável de fontes de energia mais tradicionais e o aumento da eficiência energética;
  • A promoção de pesquisas para novos projetos de geração de energia a partir de fontes renováveis, que diminuam as emissões de gases do efeito estufa, e que contribuam para uma distribuição descentralizada da energia em locais como o Reino Unido.

A questão do aumento da eficiência energética também foi bastante citada na conferência e alguns compromissos assumidos entre os agentes públicos de alguns países e instituições privadas.

Além das metas definidas em reunião, também foram assumidos mais de 700 compromissos voluntários entre governos, ONGs, instituições e empresas privadas. Dentro desses propósitos, os que abordavam especificamente a questão do uso das energias previam prazos para a diminuição do consumo e o aumento do uso sustentável. Liechtenstein, por exemplo, assumiu uma diminuição do consumo de energia e o aumento do uso de energia sustentável até 2020. A América Latina, por sua vez, deverá diminuir em 20% o consumo de energia até 2015.

Conheça 705 compromissos voluntários definidos na Rio+20 clicando AQUI.
Info - entenda a Rio + 20 em 1 minuto: http://g1.globo.com/natureza/rio20/entenda-a-rio20/platb/


O que é sustentabilidade?

Especialistas
Carolina Brandão - Biologia
João Pereira – Física
Luis Vinicius Belizário – Cultura Afro-brasileira e Cultura Indígena
Stefan Menke – Geografia
Thamires Mattos – Química

Edição
Ana Loiola
Carolina Lopes
Milena Oliveira

Revisão
Fernanda Oliveira

Arte
Bruna Tiso
Gisele Toledo

Web designer
Evelyn Menezes

Desenvolvimento
Oberdan Sezefredo

Coordenação pedagógica
Débora Valletta